Há dias excelentes, memoráveis. Há também os menos bons. Os marcantes. Os decisivos. Este espaço é, apenas, um conjunto de desabafos fruto dos dias que vou percorrendo e da minha (in)sanidade mental. E, tal como eu... tem dias!

Sexta-feira, 27 de Julho, 2012

Faças o que fizeres, vivas o que viveres, não percas, jamais,

a tua espontaneidade, a tua naturalidade, a tua identidade, o que te define.

 

Pode ser que, com o passar do tempo, à medida que a vida vai acontecendo e por diversas razões, sintas, às vezes, que já não faz sentido - ser-se espontânea - ou porque já não temos idade, ou porque não "fica bem"... whatever... esquece!

 

Não há nada melhor do que darmos uma valente gargalhada, daquelas bem sentidas.

Ou reclamar (quem sabe até um breve momento de explosão?) do quer que seja nos está a afectar. Sim, sim, partir a loiça toda, por vezes, faz falta e chega a ser terapêutico (digo eu!).

 

Não é atropelar tudo e todos, não é ferir os outros, não é ficar cego perante a sociedade que nos rodeia.

 

É continuarmos a ser nós próprios (no matter what!) e não termos receio de ser crianças (porque não?), ou não temer o que quer que seja que alguém vá pensar, ou deixar de fazer isto ou aquilo porque não-sei-quem (não sendo relevante no nosso círculo mais chegado, atenção!) pode levar a mal...

Quem não gosta da nossa espontaneidade... das duas uma, ou ainda está muito verdinho (lembro-me do meu sobrinho, na altura com 3 anos, ficar envergonhado porque eu estava a rebolar na areia, na praia, a exemplificar-lhe como se fazia uma "salsicha de areia humana"), tendo, ainda muito para aprender neste grande percurso que é a vida... ou, simplesmente, não merece fazer parte do nosso círculo mais chegado.

 

Quem gosta de nós, efectivamente, quer ver-nos felizes.

Daquela felicidade bem sentida.

tags: ,
publicado por K às 09:45

mais sobre mim
Gosto de...
Dias de Verão: praia, calor. Dias de Inverno: frio e neve. Família. Amizade sincera. Amor. Cantar a plenos pulmões. Dançar até cair para o lado. Boa gargalhada. Fazer tudo e coisa nenhuma. Música. Bom livro. Bom filme. Gelados. Chiquelates. Café. Chá. Dormir. Acordar com vontade de gozar o dia. Conversar horas a fio. Silêncio. Mar. Lua. Estrelas. Guiar sem destino. Viajar. Fotografia. Cheiro a "chuva molhada". Campo. Cidades. Cães. Ar livre. Futebol. Escrever. Pão quentinho com manteiga. Não dar pelo passar do dia. Férias. Trabalho... (nota: ordem aleatória)