Há dias excelentes, memoráveis. Há também os menos bons. Os marcantes. Os decisivos. Este espaço é, apenas, um conjunto de desabafos fruto dos dias que vou percorrendo e da minha (in)sanidade mental. E, tal como eu... tem dias!

Sexta-feira, 09 de Março, 2012

Sou pelas segundas, terceiras, quartas oportunidades (em quase tudo).

Se a vida, seja porque razões for, nos dá a oportunidade uma (e outra, e outra, e outra) vez mais para nos ajudar em determinado assunto / matéria, o melhor que temos a fazer é agarrá-la com todas as nossas forças e dar o nosso máximo.

 

Consigo olhar para a minha vida e nos mais variados campos identificar alguns exemplos disso mesmo.

Gosto de estar bem comigo, ao ver o quanto eu dei (e/ou estou a dar) para que tudo desse certo.

 

Sou pelas oportunidades todas - existem raríssimas excepções: nessas não sou sequer pela segunda chance, não há hipóteses nenhumas e pronto! - e por tentar tirar delas o melhor que a vida tem. E não é assim que tem de ser?

 

Porquê tudo isto?Porque, como em quase tudo, gosto de olhar para as coisas de vários ângulos.

Uma das coisas boas - se é que se pode chamar "boa" a tudo isto que nos sucedeu - da doença da minha mãe, que terminou há dez dias é, sem sombra de dúvida, a reaproximação que eu e o meu pai temos vindo a construir.

 

O meu pai e eu, fruto muito provavelmente do nosso feitio similar - já dizia a minha mãe - fomos quase sempre cão e gato. Quando eu tenho menos paciência, o registo regressa num ápice. Houve até alturas, em especial quando eu morava com eles, em que quase não nos falávamos. O que contrastava muitíssimo com a ligação que eu e a minha mãe sempre tivemos.

 

Olho agora e vejo como estamos próximos, eu e ele. Gosto de pensar que esta é a nossa segunda oportunidade de criarmos, efectivamente, laços pai-filha como é "suposto" (de acordo com o meu ponto de vista). Podemos nunca chegar ao que eu tinha com a minha mãe, afinal, os meus progenitores sempre foram muito diferentes. Nem preciso de fazer esse tipo de comparações. É com enorme satisfação que verifico que conseguimos dialogar, na mesma frequência. E, acima de tudo, apoiamo-nos muito.

 

Mas, se calhar se tudo isto não nos tivesse sucedido, se não tivessemos passado por todas as tormentas que atravessámos, não estaríamos, agora, tão juntos. Mesmo estando a morar a uns 70 kms de distância.

tags: ,
publicado por K às 19:53

mais sobre mim
Gosto de...
Dias de Verão: praia, calor. Dias de Inverno: frio e neve. Família. Amizade sincera. Amor. Cantar a plenos pulmões. Dançar até cair para o lado. Boa gargalhada. Fazer tudo e coisa nenhuma. Música. Bom livro. Bom filme. Gelados. Chiquelates. Café. Chá. Dormir. Acordar com vontade de gozar o dia. Conversar horas a fio. Silêncio. Mar. Lua. Estrelas. Guiar sem destino. Viajar. Fotografia. Cheiro a "chuva molhada". Campo. Cidades. Cães. Ar livre. Futebol. Escrever. Pão quentinho com manteiga. Não dar pelo passar do dia. Férias. Trabalho... (nota: ordem aleatória)