Há dias excelentes, memoráveis. Há também os menos bons. Os marcantes. Os decisivos. Este espaço é, apenas, um conjunto de desabafos fruto dos dias que vou percorrendo e da minha (in)sanidade mental. E, tal como eu... tem dias!

Quinta-feira, 05 de Fevereiro, 2009

Efectivamente o problema devo ser eu. Acredito que não seja o "mundo" que esteja errado (numa série de assuntos completamente distintos). Creio que, muito provavelmente, eu é que estou muito equivocada.

Que colegas de trabalho (homens já "crescidos" ) se comportem como crianças de oito anos - eu é que devo estar a ver mal o filme.

Que me queiram "puxar o tapete" (não é de hoje e certamente continuará a acontecer). Claro que a indefinição contribui e "acende" este tipo de coisas, mas compreendo que é uma situação confortável (quer acima, quer abaixo de mim). Como sobra para mim resolver algumas questões... berbicachos. Para algumas coisas eu estou cá... para outras logo se vê. - Mas, mais uma vez, sou eu que estou a ver coisas e ninguém vê necessidade se definirem as "posições" e responsabilizar as pessoas. Vivemos no país em que a responsabilização é um bicho de sete cabeças (a começar nos dirigentes políticos, gestores e administradores de topo... até chegar ao porteiro). Mas sou eu que vejo mal as coisas.

Que seja entregue, de mão beijada, uma das áreas onde trabalho à concorrência. Porque ninguém vê problema nisso. Porque vamos ter outras oportunidades de negócio (que espero bem que se realizem... mas até ver é um "sonho". Não há nada de concreto, existem conversações e intenções). Porque de uma forma ou de outra a concorrência tem acesso à informação. - Face à reviravolta que este ano irá trazer em termos de trabalho, as expectativas são elevadas, nada melhor do que "dar" à concorrência uma das coisas que a partir deste ano TODAS as empresas vão ter de ter. Mas sou eu que estou a ver mal o filme, ao querer "proteger" a minha actividade de negócio. Sou eu que não consigo ver mais além. Apesar de ter sido eu a impulsionar toda esta área e estar bastante envolvida nesta nova oportunidade de negócio (as tais reuniões onde tenho marcado presença assídua).

 

Só consigo concluir que não é o mundo que está errado. Eu é que não estou a ver bem o filme - devo precisar mudar de lentes.

Às tantas o melhor é eu mudar mesmo, tipo "quem mexeu no meu queijo", para não perder o comboio. Deixar as crianças guerrear-se, de forma a não se falarem mais. Deixar que quem me quer "deixar mal" o faça. E, já agora, dar tudo de mão beijada a toda a concorrência - nós até já temos garantida a tal oportunidade. Sem dúvida que é o que tenho de fazer.

 

 

 

...

...

...

...

(estou a reflectir, mais uma vez)

...

...

...

...

 

 

O problema é que sou "muita" teimosa. E, como qualquer teimoso que se preze, quando (acho que) tenho razão é difícil fazer-me vergar. Claro que cumpro ordens e instruções. Nunca fui à tropa, mas sei seguir instruções. Provavelmente por não ter tido qualquer "carreira" militar tenho esta (maldita?) ideia que também compete ao subordinado questionar os seus superiores quando entende que determinada decisão não é a mais indicada. Espero que esta qualidade (eu entendo-a como tal) continue a fazer parte de mim. E que, com o passar dos anos, não me deixe "vergar" à indiferença, ao "encolher de ombros".

Vou seguir as instruções que recebi. Contrariada. Mas faço-o. E tenho dito.

tags:
publicado por K às 18:10

mais sobre mim
Gosto de...
Dias de Verão: praia, calor. Dias de Inverno: frio e neve. Família. Amizade sincera. Amor. Cantar a plenos pulmões. Dançar até cair para o lado. Boa gargalhada. Fazer tudo e coisa nenhuma. Música. Bom livro. Bom filme. Gelados. Chiquelates. Café. Chá. Dormir. Acordar com vontade de gozar o dia. Conversar horas a fio. Silêncio. Mar. Lua. Estrelas. Guiar sem destino. Viajar. Fotografia. Cheiro a "chuva molhada". Campo. Cidades. Cães. Ar livre. Futebol. Escrever. Pão quentinho com manteiga. Não dar pelo passar do dia. Férias. Trabalho... (nota: ordem aleatória)