Há dias excelentes, memoráveis. Há também os menos bons. Os marcantes. Os decisivos. Este espaço é, apenas, um conjunto de desabafos fruto dos dias que vou percorrendo e da minha (in)sanidade mental. E, tal como eu... tem dias!

Quarta-feira, 13 de Janeiro, 2010

Nestas alturas, quando o nosso planeta resolve, de forma mais-ou-menos intempestiva, libertar um centésimo da sua energia, só para aliviar um pouco a pressão e, com isso, origina, em segundos, destruição massiva, morte e tudo e tudo e tudo, para além de ficar consternada sinto como se fossemos formiguinhas e um humano resolvesse dizimar o nosso formigueiro. Quem tem a sorte de assistir a este tipo de tragédia pode fazer uma de duas (ou ambas) coisas: apreciar e gozar o facto desta vez ter escapado (aproveitar a vida) e, de alguma forma, tentar ajudar quem não teve essa sorte. É que é disso que se trata, quando falamos de fenómenos naturais deste tipo. É ter-se sorte de não estarmos no local e hora errados. É impossível ficar indiferente a este tipo de acontecimento.

tags:
publicado por K às 16:50

mais sobre mim
Gosto de...
Dias de Verão: praia, calor. Dias de Inverno: frio e neve. Família. Amizade sincera. Amor. Cantar a plenos pulmões. Dançar até cair para o lado. Boa gargalhada. Fazer tudo e coisa nenhuma. Música. Bom livro. Bom filme. Gelados. Chiquelates. Café. Chá. Dormir. Acordar com vontade de gozar o dia. Conversar horas a fio. Silêncio. Mar. Lua. Estrelas. Guiar sem destino. Viajar. Fotografia. Cheiro a "chuva molhada". Campo. Cidades. Cães. Ar livre. Futebol. Escrever. Pão quentinho com manteiga. Não dar pelo passar do dia. Férias. Trabalho... (nota: ordem aleatória)